Sábado, 27 de Maio de 2006

A nudez do sagrado

nudez do sagrado [a][d][eus]
belarmino mariano
escritos de um amador que ama a dor
de corpos partidos
corpos de cidades em
cada ponto de partida
 
[d]eus
metal e carne em corpos que experimentam
a dor e o prazer de um ter ausente
desejo de carne pedra e prazer
 
[d]eus
nudez ateniense, democracia
erótica que se despe)(pede
carne metálica, corpo de bronze,
pele oxidada e nua.
parasitas, filósofos e pedintes
 
[d]eus
crianças cósmicas que admitem
o caos ao acaso e em todo caso,
brincam com bolas de cristais multicoloridas
pelo escuro incolor do uni verso.
Brincam de esconde-esconde
em seus buracos negros
nas vias lácteas de queijos suíços
para desafiarem [s]eus próprios medos.
 
[d]eus
não guardam segredos em serem
[s]eus próprios eus e brincam de
cabra-cega para se tornarem
videntes com olhos e dentes
que sangram [s]eus próprios ventres
que nascem de mentes brilhantes
em escuras cavernas cranianas
de loucos alucinados e lunáticos.
 
[d]eus
tua boca, céu, atmosfera nua,
aeronave carnívora
num pára-quedas abismático
de tua língua úmida.
ácido básico, desejo língua úmida,
salto para quedas
em asas deltas
na tua boca
céu atmosfera nua.
 
[d]eus
paixão mágica de mulher,
respiração na tua boca cósmica
para respirarmos
boca a boca
nesse amor de fogo
 
[d]eus
dignidade digital em códigos de barras
de tua identidade sem digital
nem código de barra.
 
[d]eus
na íris dos teus olhos
um arco-íris a me flechar
com a íris do olhar.
flechas envenenadas
de amor em tua bunda
carimbada com essa
marca multinacional de jans.
 
[d]eus
na couraça de uma fêmea,
a memória curta de um tempo
longo de lembranças
do território da morte. l
ençóis estendidos
no varal do universo nu
 
[d]eus
esse amor clandestino
se faz em teus lábios tingidos
com sons e murmúrios cósmicos
escritos pelo grafite dos teus olhos,
as cores incolores da utopia.
 
[d]eus
a biografia do teu perfume
altera meus sentidos
e me enfeitiça. t
e sinto essência crua
em minha pele nua.
teu cheiro escreve
em minha pele poemas
com as tintas incolores
dos odores, grafites
da alegria em te amar.
 
[d]eus
mulher em corpo e alma,
sua nudez utópica,
tecido de pele
em minha poesia nua.
 
[d]eus
na ires dos teus olhos um arco,
um piscar de flechas faiscantes.
em teu sorriso uma festa
a me enfestar com
as flechas do olhar.
 
belogeo@yahoo.com.br
essencialismo@sapo.pt
http://essencialismo.blogs.sapo.pt
 
publicado por olharesgeograficos às 22:14
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. MORTES VINDAS DA ÁFRICA

. Geografia e banalidade do...

. Morte Espetacular  

. GEOGRAFIA CULTURAL E DA P...

. Espelhos refletidos de um...

. Resenha sobre Perdido de ...

. extremo

. aqui

. estampido

. SONHEI QUE ERA ZÉ MULAMBO

.arquivos

. Setembro 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Dezembro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds