Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012

Espelhos refletidos de uma rubro-negra

 De: Belarmino Mariano Neto

O caleidoscópio, espaço tridimensional construído a partir de três lâminas de vidro espelhadas, postas em oposição, reproduz ilusórias imagens. Colocados cacos de vidro coloridos, miçangas e outros fragmentos, sem ordem de distribuição, estes representam o caos, a completa desordem, mesmo limitado a cônico espaço de reduzidos diâmetros. Mas se movimentamos este cilindro, observando a posição dos fragmentos, notamos uma verdadeira ordem universal, ou seja, o cosmo em um vitral harmônico, mesmo sabendo que o mecanismo é pura geometria euclidiana. Assim são as imagens de Lindalva, refletidas no trivium de espelhos colocados frente a frente. Um jogo de imagens caleidoscópicas lhes deixa delirar embebida com suas próprias imagens de mulher beleza rara, corpo sarado em muita malhação, ciclismo, praia e alimentação saudável conseguida em uma feira orgânica do universo carioca. O significado do seu nome no sentido literal pode ser beleza clara, mas Lindalva é uma afro-descendente, ou típica mulata carioca carregada de gingas que mariscam os olhos curiosos. Universitária do curso de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela é uma jovem com seus vinte e cinco anos de idade, uma mulher negra e cheia de sensualidade em poucos anos de juventude. Sua independência financeira ainda não existe, pois o pai, um famoso jogador do Flamengo, lhe garante a realização dos muitos sonhos de jovem. Moça estudiosa conseguiu boa colocação universitária, sendo fascinada por cores incolores, luzes, eletricidade e todos os enigmas da física quântica. Seu quarto de apartamento classe média no aterro do Flamengo é um espaço de contradições caleidoscópicas. As relações que ela estabelece com seu próprio corpo parece caos em contraditórias fragmentações espelhadas em um jogo frenético de luz e movimentos rápidos ao som de mantras tibetanos. Enquanto ela dança e se contorce, figura nos espelhos emparedados do quarto multi-misturas culturais e imagens de mulher partida querendo encontrar-se nesse jogo de espelhos. Por mais que tente se encontrar nos espelhos, depara-se com a incerteza. O paradigma da complexidade incerta. Ela é a física faiscando rajadas dela própria a espelhar-se nesse jogo de imagens, multiplicadas numa imagem que se reflete na imagem de um espelho, refletida no outro espelho, lhe deixando confusa sobre quem é a realidade refletida e qual é o reflexo real dela.

publicado por olharesgeograficos às 16:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. MORTES VINDAS DA ÁFRICA

. Geografia e banalidade do...

. Morte Espetacular  

. GEOGRAFIA CULTURAL E DA P...

. Espelhos refletidos de um...

. Resenha sobre Perdido de ...

. extremo

. aqui

. estampido

. SONHEI QUE ERA ZÉ MULAMBO

.arquivos

. Setembro 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Dezembro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds